BICOS: ANATOMIA E FUNÇÕES

February 23, 2018

Estrutura complexa, análoga aos dentes e lábios da grande maioria dos demais animais, o bico das aves, está inserido ao crânio (KING; MCLELLAND, 1984; FECCHIO, 2010), havendo diferentes formas e tamanhos, que divergem, especificamente em função do tipo de alimentação, comportamento e habitat.

 

Nas aves, a cavidade oral e língua, é revestido por epitélio pavimentoso estratificado (ROSSI et al., 2005; FECCHIO, 2010; DE SOUSA et al., 2015), onde o nível de queratinização altera de acordo com a espécie do animal e a localização do epitélio na cavidade oral (ROSSI et al., 2005; FECCHIO, 2010).

 

A parte mais superficial, chamada de epitélio, é constituído por hidroxiapatita, cálcio e fosfato, que conferem dureza ao bico (FECCHIO, 2010), formado pelos ossos, pré-maxilar e nasal (parte superior), chamada de rinoteca, e mandíbula (parte inferior), chamada de gnatoteca, ambos, cobertos por bainha epidérmica queratinizadas, chamada de ranfoteca (RITCHIE; HARRISSON, 1994; RUPLEY, 1999; FECCHIO, 2010).

 

Em constante crescimento, o bico, é uma estrutura dinâmica (DE SOUZA et al., 2015), composto por feixes vásculo-nervosos, articulações e bainhas germinativas (ROSSI et al., 2005; FECCHIO, 2010), e a vascularização da derme é frágil, localizada dentre, periósteo e o estrato córneo queratinizado (O’MALLEY, 2005; FECCHIO, 2010).

 

Normalmente, os tipos de bicos que as aves possuem, são alterações adaptativas em função da dieta (EFE; CHAVES, 1999; FECCHIO, 2005; DE SOUZA et al., 2015), e suas inúmeras terminações sensitivas do nervo trigêmeos, convergem em um órgão tátil, encontrado na base do bico (Colville & Bassert, 2010; DE SOUZA et al., 2015).

 

As funções do bico, são várias, e algumas delas inclui as aves, espalhar com seu bico o muco que a glândula uropigiana secreta, com a tarefa, de impermeabilizar as penas (BARBIERI, 2010), apreender/quebrar/rasgar o alimentos, defesa, cotejamento na época de acasalamento, construção de ninhos, articulação para o canto; e nos psitacídeos, também conta como membro de apoio, para escalar troncos de árvores.

 

 crédito: http://www.ich.pucminas.br/pged/db/wq/cb/2006-2/2-9/introd

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

REFERÊNCIA:

 

BARBIERI, Edison. OS ALBATROZES: desajeitados em terra, mas ágeis no ar, 2010.

 

CUBAS, Z. S.; SILVA, J. C. R.; CATÃO-DIAS, J. Tratado de Animais Selvagens. 2. Ed. São Paulo: Roca, 910. p.

DE SOUSA, Denise Cerqueira et al. Sistema digestório das aves e o glicerol na dieta de frangos de corte: Revisão. PUBVET, v. 9, p. 348-399, 2015.

 

EFE, Márcio Amorim; CHAVES, Edison Baptista. Guia prático do observador de aves. Brasília: CEMAVE/IBAMA, 1999.

 

FECCHIO, Roberto Silveira. Análise biomecânica da aderência de diferentes sistemas adesivos ao estrato córneo queratinizado do bico de tucanos-toco (Ramphastos toco). Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, 2010.

Please reload

Featured Posts

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Recent Posts
Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags